Sa Pa, a cidade enevoada

Escrito por em Aug 18, 2012 em Blog, rafael | 265 comentários

Sa Pa, a cidade enevoada

Estou de volta ao Brasil, mas publicarei aqui no blog os dois textos que escrevi no avião durante a viagem de retorno, sobre os meus últimos dias no Vietnã. Segue o primeiro:

Logo após o encerramento do IJK começaram as despedidas: muitos foram no mesmo dia para o aeroporto, outros decidiram ficar em Hanói por mais uns dias ou passear no sul do país. Eu fui para Sa Pa, mais ao norte, com um grupo de esperantistas dos cinco continentes.

Chegamos na estação de trem de Hanói para uma viagem noturna. Fomos em um vagão que me lembrou das minhas antigas viagens de trem pela Fepasa quando eu era pequeno. A viagem até Lao Cai, próximo à fronteira com a China, durou toda a madrugada, depois seguimos em microônibus até Sa Pa. Pelo caminho, paisagens maravilhosas, com destaque para as plantações de arroz nas montanhas e pessoas de diversas etnias usando seus belos trajes típicos.

Fomos passear por trilhas entre os morros, vimos cachoeiras, belas paisagens, apresentações de músicas e danças típicas. À tarde fui passear com o Sergei, israelense, e o Richard, australiano, pela cidade. Estava um belo dia de sol, mas a temperatura era muito agradável. No fim da tarde choveu e à noite fomos todos comer em um boteco improvisado sob lonas em uma esquina, com um ambiente bem simples e gostoso onde experimentei muitas comidas diferentes. Depois fomos cantar em um karaokê e quando saímos já era madrugada, com ruas desertas e escuras, mas estávamos em um grupo grande e Sa Pa é realmente uma cidade muito tranquila.

No dia seguinte tudo amanheceu coberto por uma névoa. Sa Pa parecia Paranapiacaba. Fomos passear em um belo parque, mas deixei minha câmera no hotel para não molhar, pois estava chovendo, e fui de capa de chuva passear com os outros entre belos jardins e bosques. Nesse passeio fiquei sabendo que Sa Pa significa “cidade enevoada”, justamente por ter aquele clima. Depois almoçamos e tivemos um tempo livre para passear, mas como chovia ninguém se arriscou, até que o sol saiu e todos foram para a rua. Depois seguimos de van para Lao Cai e pegamos o trem para Hanói.

Dessa vez viajamos em um vagão com leitos, seis por cabine. Após a partida, diversos jovens esperantistas de outras cabines vieram para a nossa e ficamos conversando, comendo frutas e doces e nos divertindo com brincadeiras até tarde da noite, quando fomos dormir. Acordamos ao chegar em Hanói, por volta das 4 da manhã, e na entrada da estação nos dividimos: Jérémie foi para o aeroporto, Flama tinha que arrumar as malas para viajar para o sul do país com esperantistas polonesas, um casal de alemães deixou as malas na estação para aproveitar o dia em Hanói antes de embarcar em outro trem no fim da tarde, etc. Eu, Kim, um coreano que conheci no IJK, Hellen, esperantista alemã, e Véronique, francesa que conheci no Brasil em 2009, fomos para um albergue, mas antes combinarmos um jantar com o resto do pessoal que ficaria em Hanói.

Uma resposta para “Sa Pa, a cidade enevoada”

  1. Fernando Maia Jr. says:

    Demais, Rafa… Pôxa, que pena que eu não pude participar desta ida a Sapa! Mas agora eu sei qual a sensação dos leitores aqui no Brasil ao visitar suas anotações sobre o Vietnã! Bonegan vojaghon ni faris! Graças ao esperanto. 🙂